VALOR DE LONGO PRAZO

Pensamos o mesmo que Larry Fink, o homem mais poderoso do mercado, presidente da BlackRock, que em uma carta dirigida em 10 de abril aos presidentes das maiores empresas do mundo, os convida para “a criação de valor a longo prazo”. Fink critica os empresários que negligenciaram o investimento em inovação, treinando seus funcionários ou gastos de capital que não são necessários para manter o crescimento de longo prazo “.

Relações Públicas (ou Comunicação) devem aconselhar sobre este caminho de longo prazo. Fink insiste que as empresas olhem para os investidores que ele qualifica como “proprietários de longo prazo” e desconsiderem os investidores mais especulativos. Como esse caminho de “longo prazo” é construído? Considerando que uma geração Z (crianças e jovens entre os 4 e os 21 anos) está crescendo junto com algumas preocupações que irão abalar o mundo: moldadas pela tecnologia, mas mais pelas políticas de austeridade, preocupadas em não se endividar, altruísta, politicamente sensibilizada pela desigualdade econômica e social, desiludida com a política tradicional e disposta a ajudar aqueles que dela necessitam; Teremos que pensar em estratégias diferentes daquelas que desenvolvemos até agora para convencê-las a comprar nossa marca.

E se, como Fink nos aconselha, começarmos a reagir? Poderia ser um bom conselho aplicar essa máxima de Relações Públicas que nos diz “fazer bem e torná-lo conhecido”, o qual, como pensamos, ainda está em pleno vigor e até, nós nos atreveríamos a descrever como “na moda”?